terça-feira, 26 de julho de 2011

Novidades derivadas dos Tablets


Sem dúvida o IPad é um dos mais revolucionários itens de consumo da década atual. Uma janela para o mundo misturada com mobilidade, “design” e velocidade. Mas, com a atual velocidade da inovação e criatividade, cada vez mais pessoas terão necessidades de velocidade, capacidade de armazenamento e mobilidade. Quem já tem smartphone ou tablet sabe que nem sempre as torres das operadoras de telefonia celular estão disponíveis para a transmissão /recepção, até por questões de espaço físico entre as torres para o tal 3G.


Ao mesmo tempo, os canais a cabo, TVs abertas e sites preparam-se para vender programas, retransmitir online novelas, filmes e futebol ao vivo. Ok, hoje você pode ver fotos online da Larissa Riquelme nua ou quase pelada em sites online, assim como baixar músicas do Luan Santana pelo Itunes em seu smartphone ou tablet, mas é claro se estiver em casa, paradinho, pois caso esteja em movimento será uma tortura.


Por este motivo que a inovação (que alguns teimam em insistir que hoje não se inventa mais nada) é tão bem vinda na atualidade. Em primeiro lugar, umas das soluções para a velocidade das transmissões está pertinho de acontecer por aqui, pois a HUAWEI já domina o LTE, um mercado para redes sem fio de altíssima velocidade. A rede a ser comercializada pela empresa não é 3G ou 4G, e sim 100G. Assim, espera-se que, quando um indivíduo estiver assistindo seu CSI direto da Sony EUA online o mesmo não trave como alguns vídeos que vemos hoje no simples YouTube. E não é coincidência que a HUAWEI é chinesa, comparem os investimentos chineses em lançamentos de satélites nos últimos anos e cheguem às suas próprias conclusões. E o que acontecerá com os mercados de TV a cabo? Provavelmente em alguns anos TV a cabo será coisa do passado.


Mas, e se a pessoa quiser assistir seu episódio depois, e mais que isso, guardá-lo como uma coleção? Lembro-me que nos anos 80 eu tinha todos os episódios de Miami Vice em fitas VHS, incluindo os comerciais do SBT. Para essa situação a solução já existe mas ainda não é popularizada. Ela existe em sua maioria para empresas. Chama-se computação em nuvem. É como se o HD com os programas baixados fosse terceirizado, não ocupando espaço físico em seu aparelho mas estão lá totalmente disponíveis somente para você, pagando-se claro um aluguel para esse armazenamento. E o que acontecerá com as locadoras? Provavelmente seu fim será acelerado.


Existe ainda uma solução inovadora para a ausência de conexões, quando acontece aquele “limbo” de conexão entre o momento em que a pessoa está em um ambiente que dispõe de wireless e vai para outro que também dispõe mas durante o caminho sua transmissão para por não haver a conexão. Este tem sido uma das maiores fontes de desconforto entre os engenheiros de rede e operadoras de telefonia celular. Mas, imagine se cada um de nós pudesse dispor de um percentual de sua própria rede residencial e receber por isso da operadora (seja como desconto ou como renda mesmo). Softwares para isso já estão em fase de desenvolvimento e as questões de segurança de rede também em fase de discussão. Nós não utilizamos todo o tempo e nem toda a capacidade de transmissão de nossa rede residencial e pagamos pelo total, assim, poderíamos ceder 10%, assim como nosso vizinho 10% e o vizinho dele 10%, criando zonas de transmissão que evitem o “limbo” de internet. E o que acontecerá com as Lan Houses? Provavelmente seu fim também será acelerado.


Assim, vai ficar fácil assistir um filme online da HBO sem travar, que foi armazenado em sua nuvem, parado no trânsito durante as duas horas que você leva para voltar de seu trabalho até sua casa. Hoje isto é impossível, mas todos os fabricantes de tablets, smartphones e celulares tem certeza que a intenção do cliente ao comprá-los foi de ter exatamente essa comodidade.


Abraços a todos!

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

1 Comentário:

Deny Moore disse...

Luis,

O novo consumidor de hoje, já nasce inserido em um mundo onde a velocidade de informação vai além do que podemos absorver. Na essência, não são as tecnologias que mudam a sociedade, mas sim, a sua utilização. O iPad, como mostra o artigo, é uma porta que antecede o futuro da televisão e temos que estar preparados para receber esta enxurrada de novidades... é tudo uma questão de se criar novas necessidades e quem quiser que acompanhe!!!
Vejam o exemplo da rainha Elizabeth II, que é fã das novas tecnologias:
“Primeira monarca a enviar um e-mail, em 1976, quando a internet ainda engatinhava, a rainha Elizabeth II que faz questão de acompanhar de perto os avanços tecnológicos. Ela ficou encantada com o iPad dos netos e fez questão de pedir que seus funcionários comprassem um para ela também. E ficou a cargo dos príncipes William e Harry a tarefa de ensinar a avó a usar o tablet”. (Que bonitinha!!!) É isso aí vovó... nada de viver na idade da pedra, deixe isso para os Flintstones.

Ótimo texto, Querido!

Beijos

Postar um comentário

  ©Antropomidia | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger