sexta-feira, 24 de junho de 2011

Entenda um pouco sobre Derivativos ou E daí que a Grécia se ferrou?


Bem, existem matérias extensas em universidades que ensinam sobre o mercado de derivativos e como operar neles, portanto a intenção deste singelo texto jamais seria de que alguém o entenda ao final da leitura. Mas, o quanto essas espalhadas notícias sobre o FMI financiando o país europeu podem impactar um mundo (globalizado), um país ou sua família tem tudo a ver com derivativos. Portanto vou tentar aqui fazer algumas analogias despretensiosas.



Imaginem como se o mercado fosse feito de uma padaria, um banco, um banco investidor e vários clientes. Dos mil clientes que essa padaria tem, cem deles pagam com uma caderneta, anotando suas dívidas e pagando ao final do mês. Daí, seu João, dono da padaria tem uma idéia, que é de vender a dívida da caderneta daquele mês que é de R$ 2 mil a um banco por R$ 1,8 mil (ou seja dá um desconto ao banco de 10% para não ter que esperar os clientes pagarem ao final do mês). Grande negócio para o Banco, que é poderoso e poderia receber os R$ 2 mil depois de um mês. Mas ele não faz isso, ao invés disso, emite títulos baseados na confiança em que aqueles clientes vão pagar, ou seja, conforme a confiança aumenta aqueles títulos valem mais e chegam a valer R$ 3,5 mil, comprados por um investidor que vislumbra que no futuro valham mais ainda.


Passados alguns meses e com algumas variações, para cima ou para baixo, o mundo entra em uma de suas crises. Desemprego, as pessoas tem menos dinheiro para gastar na padaria do seu João e as dívidas da caderneta que ele vendia todo mês caem de R$ 2 mil para R$ 1 mil e ele passa a vender essas dívidas a R$ 800. Com isso, quando o banco investidor percebe que aquele papel que ele tem na mão não vale mais nem R$ 3,5 mil tenta vender por valores mais baixos mas, como existe uma crise de confiança nesse título e uma parte das pessoas não tem dinheiro para comprá-los o valor cai vertiginosamente, até que o valor desse título passa a R$ 1,2 mil.


Neste momento, para que o banco de investimento não quebre (lembre-se que ele tem uma dívida com o outro banco e que a padaria depende desse financiamento para girar seu capital) o governo entra no mercado e dá garantia aos títulos, comprando-os e estimulando bancos comerciais a comprá-los acreditando que com a volta da confiança esses títulos se valorizem. Eles até se valorizam um pouco e mas ficam longe dos R$ 3,5 mil que pareciam valer para o banco de investimento (que é a expectativa que voltem a valer). Essa é a tal da Bolha (Lembre-se que o valor original da dívida é de R$ 2 mil). Como o governo socorreu o banco, esse papel “micado” gera o rombo no governo, ao invés de quebrar o banco e a vida seguir.


Isso já aconteceu nos EUA em 2008, a diferença é que lá o governo pode emitir dólares. Gerar inflação e cobrir o rombo. Já na Grécia o buraco é mais embaixo, pois o governo grego não pode emitir moeda, já que faz parte da Comunidade Econômica e lá é proibido emitir moeda local, e o Euro só pode ser emitido pelo Banco Central Europeu. Por esse motivo que a comunidade européia se esforça tanto em salvar a economia grega, para que a Europa não vá junto com eles.


Até aí tudo bem. Mas se parte dos investidores que compraram esses títulos derivativos estiverem em alguns países do mundo? Este é o receio de todos. O problema dos derivativos é que não se sabe quem são os portadores de todo o ciclo desses títulos, quem são os “governos”, bancos de investimento, bancos comerciais, pessoas físicas, etc... Ou seja, se você não está nem aí para a crise na Grécia comece a se informar, pode ser que algumas empresas ou bancos brasileiros tenham títulos assim. Ou não, e por aqui seja apenas uma “marolinha”.


Abraços a todos!

RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

  ©Antropomidia | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger