terça-feira, 22 de março de 2011

As panelas nas empresas ajudam a crescer?


Na vida corporativa, as coisas que mais nos entristecem, geralmente são as que nos vão trazer melhores lições. O grande segredo é suportar as mágoas pois elas certamente vão acontecer. Muitos acreditam que as empresas são locais como a cantina que existia no colégio ou na faculdade, onde faziam grandes amigos e correntes de amizade.

Com o passar do tempo, descobrimos que não é e neste processo que muitas mágoas ficam para sempre. Mas, e o que move os indivíduos a se aglutinarem assim? Relações de poder. De maneira geral, as carreiras de profissionais não caminham na mesma velocidade que a idade e é muito mais fácil ter um crescimento se você é aliado a alguém que já passou do nível operacional para o nível acima, o de gestão de pessoas.

E assim, seja nos corredores ou nos "happy hours" segue-se um jogo de admiração e adulação por aquele que está acima, tem o contato com os níveis mais altos da administração. Confundem-se aqueles que acham que isso é uma visão de equipe ou time, pois os objetivos da empresa ou corporação estão em segundo plano. Essa situação mais se parece com a tal "panela" que sempre é mais fácil de ser identificada nos outros do que em você mesmo.

As consequências para as carreiras dos profissionais citados acima são devastadoras, pois como já dito em alguns artigos aqui, membros da empresa sempre estão observando essas atitudes. Talvez durante um tempo esses grupos até sejam interessantes para a alta administração, mas a partir do momento em que é identificado que esse líder ou grupo se disvirtua dos objetivos, o que acontece via de regra é um desvio também das oportunidades dadas a esses profissionais.

A percepção desse movimento por parte dos integrantes só acontece mais tarde. Como aquele que de certa forma liderava é o primeiro a perder novas oportunidades de crescimento, também é o primeiro a perceber ou a ser colocado de lado pelo grupo. O grupo por sua vez vai buscar novos líderes tentando manter a "panela" e com isso desviando suas carreiras e perdendo tempo para o crescimento profissional.

Todos erramos e é claro que somos seres políticos, nascemos para conviver em sociedade e dentro das empresas a regra não pode ser diferente. O que não se deve é errar na dose das relações. E nem usar as pessoas, seja um líder mais experiente para subir, seja um grupo para se fortalecer como líder. No fundo, a lição que fica é o que os membros da administração vão ver, o trabalho, planejamento, investimento na carreira e atingimento de objetivos. Se ficar alguma amizade depois será porque não existiram interesses.

É importante refletir sobre isso. E sobre isso aqui também:



RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

2 comentários:

Rangel de Jesus disse...

Particularmente, embora não vivo no ambiente, acho que são realmente comportamentos que não devam existir, mas infelizmente é uma pérola entendermos a mente humana, parace que sentimos prazer em errarmos para nos arrepender e começar tudo de novo com a desdita de pensarmos que fizemos o erro correto, parece brincadeira não é, o trocadilho?

Anônimo disse...

Perfeito post... fui demitido hoje e uma das causas foi exatamente essas panelas que em vez de adequarem (ou pedirem para eu me adequar) ou respeitarem as diferenças preferiram influenciar para que pudesse ser demitido... dito e feito...

Postar um comentário

  ©Antropomidia | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger