terça-feira, 3 de novembro de 2009

Sobre Geysi, a tortura no presídio, nosso congresso e nossa justiça


Nos últimos dias a mídia impressa está abarrotada de notícias referentes à liberdade e direitos civis. Podemos observar fatos como uma aluna que pelo modo de estar vestida foi hostilizada por colegas da faculdade (sou do tempo que a repressão vinha ou da polícia ou dos donos da faculdade), uma morte mal explicada de um membro do Afro-Reggae e as cenas horríveis de maus tratos em uma transferência de presos em Santa Catarina. Um prato cheio para os programas sensacionalistas, que a todo custo buscam a audiência.
O que mais me impressiona, no entanto, não é a retórica do “ninguém faz nada” ou “é assim mesmo”. É que tentamos achar culpados. Com uma espécie de coordenação da mídia, orquestrando os movimentos contra o congresso ou a justiça, como se “o congresso” ou “a justiça” pudessem responder como um ser que tem vida.
Não adianta achar culpados, é claro que assim para todos é mais cômodo. Achamos o culpado, viramos para o lado e não precisamos fazer mais nada. Pronto! “É, o cara morreu, mas a culpa é do congresso que não faz leis mais duras” ou “quem manda a polícia prender e a tal justiça soltar? Só podia dar nisso mesmo!”. Depois das palavras fáceis, podemos tranquilamente, já que não foi no seio de nossa família, dormir.
A maior hipocrisia que acontece é que nós fingimos não fazer parte do ciclo. Quem vota as leis ou quem julga é colocado lá por nós. Sim, até os juízes do STF são eleitos, podem até ser uma indicação do Presidente da República mas seu nome é ratificado por aqueles que elegemos. Não é mais fácil esquecer em quem votou do que cobrar? Ficou piegas discutir política, propostas, protestar.
Claro que a esta altura um monte de gente já está procurando uma justificativa, a tal falta de investimento em educação, saneamento-básico e cultura de nosso povo. Devem ser os mesmos que não saíram às ruas para protestar contra as olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro (300 bilhões em investimentos) e comemoraram. Ano que vem tem eleição, acho que já era hora de estarmos discutindo projetos para o futuro.
Não tem desculpa, quem tem mais acesso à educação e à cultura deve ser formador de opinião, debater e por conseqüência formar cidadãos melhores. Conversas e debates não existem somente em bares e pontos de ônibus, mas também no ambiente de trabalho.
Só lamento que esses alunos que hostilizaram a Geysi não saberão o significado de uma palavra do que escrevi aqui. Já acharam o culpado no segundo parágrafo.
Atualização em 07/11: A Uniban informou hoje que a aluna foi desligada da faculdade, ou seja, expulsa. No comunicado, percebe-se que a instituição insinua que a aluna se comportou como uma "puta", levantando a saia na escada para outros alunos. Estamos vivendo mesmo novos tempos, em que culpar a vítima é mais fácil do que culpar o preconceito.


Abraços
RSS/Feed: Receba automaticamente todas os artigos deste blog.
Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

8 comentários:

S. Levy Lima disse...

tem razão.
que poderia eu adiantar a esta dissertação?

abçs.

Claudinha disse...

Excelente post!
Por isso que fico p...da vida quando alguém diz que irá anular o voto ou que não vai assistir propaganda política por que são todas iguais! Minha filha, digo, tu achas que está fazendo o que com isso? Protesto? Ai, me poupe!
Se você vende seu voto, vota no amigo, tá se queixando do que?
Bjs!

Susi disse...

Ótimo post, como sempre escreveu tudo muito correto, as pessoas se esquecem de pensar, é esquecem de pensar, mas na maioria das vezes só lembram de ter preguiça de pensar. É mais fácil.
2016 no Rio de Janeiro é o absurdo dos absurdos, não vi o que poderia ser comemorado diante de tantos erros e falta de responsabilidade, nosso país necessita de coisas básicas, é só olhar em volta que podemos sentir as necessidades do nosso povo. Podemos viver sem jogos Olímpicos, mas não podemos viver sem o mínimo de estrutura no que diz respeito à alimentação, moradia, segurança, educação e uma infinidade de outras coisas. Nosso povo está à mingua, precisamos raciocinar e conhecer realmente quem vamos eleger, para depois não ficarmos com cara de idiotas vendo o país cada vez mais, indo para o mais profundo Buraco Negro.

Mudando de assunto: Tem um presente pra vc lá no HISTOBLOG, passe e retire.

Sérgio M. Soares disse...

Olá amigo,

Acredito que não esquecemos em quem votamos, o que esquecemos é o porquê votamos. Quando aprendermos a saber o porque se vota, muitos dos problemas que hoje são rotineiros, poderão não ser resolvidos, mas já será um passo bem encaminhado para que haja alguma solução.

Parabéns pelo belíssimo post.

Anônimo disse...

que tal um link para a noticia incial? nem todo mundo sabe do que se trata...

Anônimo disse...

Gostei do chamado a política! Devemos exercer nossa cidadania, é muito importante que haja uma conscientização geral! É neste momento que devemos buscar nossos interesses, somos nós quem colocamos a "mentira e a ganância" no poder! Temos por obrigação mudar isso, o povo precisa de educação! Temos que nos espelhar nos países desenvolvidos e buscar soluções precisas! Temos riquezas por natureza, e nosso povo está entre os mais inteligentes do mundo(nosso QI está acima da média mundial)e nem com isso "vai pra frente"? Nós temos que mudar nossa maneira de pensar, não podemos "ajudar" uma pessoa a garantir seu "emprego" na máquina pública! Ano que vem é ano de mudança, descartemos que não fez nada e busquemos quem nos ajudou(não é aquela ajuda realizada durante a eleição, é a feita durante o mandato)! É só isso, o básico. Pra frente BRASIL! Ainda temos esperança!

Breiner77 disse...

A situação está mesmo complicada.
Mas negligência e violÊncia policial estamos calejados..
O que mais me escandalizou nos últimos dias foi o caso dessa estudante, pois o que fizeram com ela em plena era do Bonde do Tigrão é difícil de se entender...
Se nossa sociedade, principalmente juventude fosse conservadora seria mais fácil de compreender, mão não é...
Uma coisa realmente intrigante...
gostei do blog..visite o meu se possivel..abraço

http://killing-me77.blogspot.com/

Diego Mesquita disse...

Analisei, também, este caso intitulado "O caso do vestido", em http://dimesquita.blogspot.com/

Caso se interesse, será bem vindo.


Um abraço,

Postar um comentário

  ©Antropomidia | Licença Creative Commons 3.0 | Template exclusivo Dicas Blogger